Vencendo o medo, a ansiedade e o estresse

Entrevista para o grupo "Vencendo o medo, a ansiedade e o estresse", com a Professora Luciana Miranda, aproveitando a sua experiência no ensino da matemática.

Poderia nos dar uma idéia dos dados relevantes do seu curriculum e de qual o índice médio de reprovação em matemática no ensino fundamental e médio?

 

Profa. Luciana Miranda: Sou formada pela Universidade de Taubaté no curso de Física, especialista no ensino de matemática e física e também especialista em metodologia do ensino superior . No início da carreira estagiei no Centro Técnico aeroespacial, CTA , no centro de estudos avançados em São José dos Campos/SP na divisão de lasers. Como fiz curso técnico em química trabalhei em laboratório de desenvolvimento e aplicação de produtos químicos nas Indústrias Químicas Taubaté . Mas foi na área da educação que realmente me encontrei e me fascinou, como sempre digo, nasci para ser professora.
Sou professora da rede particular de ensino há 20 anos lecionando matemática no ensino fundamental II e no ensino médio lecionando matemática, química e física, além disso, ministro aulas no curso de engenharia  na Faculdade Anhanguera de Taubaté, há 10 anos, de Matemática financeira, matemática aplicada, cálculo I, II e III, Física I e II, química, dentre outras.
Segundo o Ministério da Educação, o Brasil registrou em 2011 a maior taxa de reprovação no ensino médio desde 1999, 13,1%. O pior índice foi no Rio Grande do Sul com a pior média de 20,7%, seguido pelo Distrito Federal e Rio de Janeiro com 18,5%, sendo esse maior índice em escolas públicas, 14,1%.  A menor taxa de reprovação foi no Amazonas, com um índice de 6%. Na Prova Brasil, foi diagnosticado que 85% dos estudantes  do ensino fundamental não sabem matemática.

Por que, na sua opinião aprender matemática é tão difícil?

 

Profa. Luciana Miranda: Não é difícil, o que existe é a MATOFOBIA, que é a aversão dos alunos pela matemática, é uma questão cultural e, geralmente, os estudantes não gostam ou tem medo porque não entendem.
O grande x da questão, que muitos nascem com a facilidade para aprender matemática e essa facilidade é aproveitada, já outros não são estimulados a desenvolverem essa habilidade. Na minha vida como professora, já ouvi diversas vezes “professora a senhora foi a única que conseguiu me ensinar matemática”, então faço milagre ou estimulo meu aluno a aprender? Infelizmente tem professores que “estão professores” e não são professores.

Vc acredita que há um mito em torno da dificuldade em aprender matemática?

 

Profa. Luciana Miranda: Acredito que sim, pois existe um medo histórico da disciplina que pode ser passado de uma geração para outra. Os pais dizem para os filhos que eles eram péssimos em matemática e que se eles forem mal também não tem problema, o que é um erro. Não seria mais fácil estimular seu filho a aprender e reverter essa situação? Temos que encorajar os estudantes a enfrentar desafios.
Uma pesquisa feita nos EUA comprovou que o medo da matemática pode causar dor de cabeça. Não é a disciplina que causa dor de cabeça e sim o medo quando se deparam com alguma situação problema que envolva matemática.

O que você faz para reduzir o medo que os seus alunos sentem de matemática?

 

Procuro ser o mais próximo possível ao aluno, mostro que ele pode confiar em mim e no meu trabalho, e sempre digo, se eu aprendi como você não vai aprender? Sempre faço elogios  diante de todos na sala, levantando sua auto estima e o estimulo a estudar em casa fazendo exercícios, sempre dizendo que aprendemos por repetição. Mostro aos estudantes, que tenho prazer em ensinar e sempre estou com aquele sorriso no rosto trazendo um ambiente prazeroso e descontraído em sala de aula. Além disso, estou sempre disposta a ouvi-lo seja nos assuntos que envolva a escola, familiar ou até mesmo nos relacionamentos amorosos, indicando o melhor caminho a seguir.

Você acredita que o professor de matemática é um ser em extinção?

Infelizmente, como citei anteriormente, tem professores que “estão professores” e não são professores. Com a crise econômica, muitos acham que “dar aula” é fácil e assim vão para a área da educação despreparados e desmotivados. Não adianta, ser professor é dom, está no sangue, ou seja, tem que gostar daquilo que se faz, como em qualquer outra profissão.
Infelizmente o professor de matemática está em extinção sim, quando me formei, em 1990, as salas de licenciatura em matemática eram repletas de alunos, e hoje reduziu muito a procura pelo curso. Atualmente, poucos querem ser professor de qualquer que seja a disciplina e de matemática menos ainda, a grande maioria faz engenharia e depois por falta de oportunidade no mercado faz uma especialização para ter uma segunda profissão, o que é uma pena. É de extrema importância da formação continuada do professor, para que ele seja capaz de buscar métodos que estimulem os alunos em sala de aula.

Sobre a técnica de evitar o medo, você acredita que haja alguma profissão onde a matemática não seja necessária?

 

Profa. Luciana:Não, a matemática está presente em todas as profissões, como em cálculos e gráficos estatísticos, em gastronomia e medicina usando a razão e proporção para receitas, no direito em direito trabalhista e assim vai. Muitas vezes,  sem ao menos  notar, a pessoa  está  utilizando alguns conceitos matemáticos ou até mesmo físico.

O que a levou a ensinar não só matemática, mas também física e química?

 

Profa. Luciana:Está no sangue, acredito que seja de nascença a facilidade com o cálculo, uma matéria está interligada a outra, mas fui muito estimulada por minha mãe, pois ela foi a primeira pessoa a notar a facilidade com que eu aprendia o cálculo, claro que isso dependia do professor na sala de aula. Costumo contar aos meus alunos que tive uma professora de matemática que eu odiava, coitada, RS, e não tinha prazer em assistir a aula dela, então estava de corpo presente, mas de cabeça ausente. Estava no 6º ano do ensino fundamental, e chegava em casa e pedia para minha mãe me ensinar o conteúdo para que pudesse fazer a tarefa, dizendo que não entendia nada do que a professora ensinava. Coitada da minha mãe, cansada do trabalho, inclusive ela trabalhava fora , me ensinava e eu aprendia e ia bem nas provas, isso fazia com que a professora não gostasse nem um pouco de mim, coitada, hoje vejo o quanto errei em atrapalhar as aulas dela com a minha indiferença.
Hoje, sou igualmente apaixonada por todas as disciplinas que leciono, e somente aceito a ministrar determinada matéria se realmente gosto do conteúdo, caso contrário, fico incomodada achando que não estou transmitindo aquilo que sei com eficiência, e disso eu faço questão.

Você se sente normal? kkkkkk...brincadeiras a parte...é possível entender e gostar de matemática?

 

Profa. Luciana:Não, RS, me acho meio doida por sinal... Muitas vezes digo em sala que sou “normal” e todos discordam então, sou louca mesmo.
Como posso ser norma, se “de médico e louco, todo mundo tem um pouco”?
Sim, é coisa de doido gostar de tantas matérias de cálculo assim, mas acredite eu amo; nada como fazer aquilo que se gosta, tudo fica mais fácil e suave, trabalhar acaba sendo divertimento. Cansa, claro que cansa, porque no Brasil o professor é desvalorizado e para ter um padrão de vida razoável precisa trabalhar muito, muitas vezes, os três períodos, assim  como eu. Porém afirmo, não sei como seria minha vida sem meus alunos, adoro a juventude sonhadora e cheia de ideais.

Que conselho daria para aqueles que têm pavor de matemática?

 

Profa. Luciana:Acredite em você, esse é o fator principal, você é capaz de aprender sim.  Tenha comprometimento, dedicação e persistência. Aconselho a estudar todos os dias durante 2 horas, com intervalo de 10 minutos entre elas, nada além disso, resolver muitos exercícios, ser curioso procurando maneiras diferentes de resolução do mesmo exercício,e o que é muito importante, ler muito, acredite, ler muito para desenvolver o raciocínio e melhorar a interpretação das situações problema. O mal do brasileiro é a preguiça de ler, não se tem o hábito da leitura no Brasil, os professores precisam investir mais em interpretação de textos.

O que tem a dizer sobre o ensino de matemática à distancia? E aquelas tradicionais musiquinhas para ajudar a memorizar algumas fórmulas?

 

Profa. Luciana:Sabemos que não se constrói uma nação sem educação de qualidade. O Brasil caminha a passos largos na melhoria do ensino à distância, porém ainda falta muito.
O brasileiro precisa ter consciência que ele não precisa “apenas” do diploma, e sim do conhecimento. Para o EAD, acredito que o aluno precisa ser diferenciado, ser um pouco autodidata e as aulas devem ser por videoconferência com um tutor presencial para sanar dúvidas. A instituição precisa ser comprometida com o ensino e disponibilizar todos os meios necessários para que o aluno aprenda.
Todos os artifícios são válidos para a aprendizagem, desde que sejam utilizados de forma consciente. Então, as músicas são bem vindas na hora de memorizar fórmulas e algo importante para o vestibular, porém acredito, que às vezes, os professores abusam. Algumas escolas,de ensino médio preparam o aluno para o vestibular e não para aprenderem. Para que esse quadro seja revertido, a organização das escolas precisam mudar, assim como o preparo dos professores para lidar com alunos com maior dificuldade de aprendizagem.

Finalmente...você acredita em numerologia?

kkkk...brincadeirinha...

 

Profa. Luciana:Não acredito! Acredito que viemos à Terra com uma missão a cumprir, e acho que a minha é essa, a educação.

Uma mensagem final para os que superarem o medo da matemática...e para aqueles que querem se livrar do medo da matemática...
Obrigada!

 

Profa. Luciana:Você é capaz de tudo que se propuser a fazer. Medo. Insegurança e obstáculos existem, mas para todos nós, a diferença é como encaramos cada um deles. Você, somente você, é responsável pelo seu sucesso, acredite!
A ansiedade está presente até naquele professor que está diante da sala de aula repleta de alunos, porém ele sabe para que a sua aula seja produtiva ele precisa achar o ponto de equilíbrio.

E por último, e o mais importante, dê oportunidade para a felicidade tomar conta de você, seja feliz!