Cuidados com a Saúde mental na Quarentena

A pandemia trouxe mudanças extremas no mundo todo: na economia, comércio, saúde, educação, lazer e também na rotina dos lares. Home office, aulas online, crianças cheias de energia dentro de casa, possíveis casos de desemprego, isolamento social, dentre outras situações passaram a fazer parte do nosso dia-a-dia, nos desafiando a usar a criatividade para nos adaptarmos a este novo contexto.

Um dos aspectos que merece profunda atenção nessa fase é o aspecto emocional de toda a família. Como manter o equilíbrio emocional e a saúde mental diante de tantas mudanças? Aqui vão algumas dicas que podem te ajudar:

  1. Evite notícias ruins: ficar assistindo tragédias, crimes e programas que falam sobre a pandemia de forma sensacionalista podem desencadear ou agravar sintomas de depressão ou ansiedade;

  2. Cuidado com Fake News: muitas notícias falsas estão sendo repassadas pelas redes sociais indiscriminadamente, causando pânico desnecessário. Procure saber a procedência da notícia e não repasse tudo o que recebe;

  3. Faça uma lista de tarefas diárias: coloque no papel metas realistas, mesmo que sejam tarefas simples como arrumar o armário, fazer as unhas, ler um capítulo de um livro, assistir uma aula de um curso online etc. Essa prática nos ajuda a tornar o tempo mais produtivo e traz a sensação de dever cumprido;

  4. Faça um cronograma para organização das atividades da família: inclua atividades relacionadas ao trabalho, estudos, lazer, descanso, saúde, afetividade e espiritualidade de cada membro da família. Ex: a primeira hora de cada dia você pode dividir em 20 min de atividade física, 20 min de meditação/oração e 20 min de leitura. É importante reservar um horário para as crianças brincarem sozinhas e um horário para uma atividade em família. Antes de dormir os pais podem ter um tempo com cada filho para contar histórias, fazer uma oração ou conversar sobre os sentimentos. Lembre-se que o que importa é a QUALIDADE e não a QUANTIDADE de tempo dedicada a cada área. Tente não neglicenciar nenhuma área, pois se uma delas estiver prejudicada irá desequilibrar todas as outras;

  5. Diante de sintomas como tristeza extrema, perda de sentido da vida, sensação de pânico, irritabilidade desproporcional, medos intensos, crises de ansiedade e outros, que podem estar atrapalhando a sua vida e relacionamento familiar, procure ajuda profissional. Não espere que os sintomas se agravem.

  6. Evite o consumo de tabaco, bebidas alcoólicas e outras drogas: muitas vezes esse caminho pode parecer o mais rápido para aliviar o estresse, fugir do sofrimento ou preencher um vazio através de um prazer momentâneo. Procure encontrar outras fontes de prazer que sejam saudáveis e funcionais.

  7. Limite o tempo gasto com redes sociais, TV e séries: esses hábitos também podem se tornar uma espécie de vício, prejudicando a saúde emocional da pessoa e da família.

  8. Cuide da alimentação: evite o consumo de petiscos industrializados, refrigerantes, doces e frituras. Busque alternativas mais naturais como frutas, verduras e legumes. Estabeleça horários para as refeições em família para desenvolver a disciplina, o convívio e o diálogo. Se perceber que está comendo compulsivamente movido por ansiedade, procure ajuda profissional;

  9. Mantenha contato telefônico ou faça chamadas de vídeo para familiares e amigos: o isolamento social pode acentuar sentimentos de carência e solidão. Às vezes uma palavra de afeto pode reverter esse quadro levando alegria e amor para quem está distante fisicamente, mas próximo ao coração.

  10. Aproveite para resolver as questões mal resolvidas que podem vir à tona devido ao confinamento por meio do diálogo genuíno e sincero: as diferenças desgastam os relacionamentos, mas o diálogo pode tornar as pessoas mais íntimas, levando a um crescimento e amadurecimento. Não ¨jogue a sujeira para debaixo do tapete¨! Tenha coragem e seja gentil ao tratar de assuntos delicados e, se precisar, procure ajuda de um profissional especializado.

Enfim, é possível transformar situações adversas em oportunidades! Veja essa situação como uma preciosa oportunidade de autoconhecimento, autodesenvolvimento e de estreitar os laços familiares através da convivência mais próxima. Ria, brinque, use a imaginação, crie receitas novas, converse sobre assuntos sérios, tabus, sentimentos, conte piadas, dance, cante e ame, ame muito as pessoas que estão ao seu redor! Quando mudamos a nossa mente, mudamos o nosso mundo!

Luciana Takao

Psicóloga e autora do

texto